top of page

Metodologias ágeis: o que são e como podem te ajudar?




Autoria de Mariana Pires


Você, da área de tecnologia em busca de emprego, definitivamente leu na descrição de diversas vagas termos aparentemente alienígenas como scrum, kanban, agile, lean, extreme, xp, sprints ou se deparou com vagas voltadas para scrum master e não entendeu nada? Esse texto vai ajudar.

Vamos imaginar que você é uma pessoa desenvolvedora de software parte de um time de uma empresa dos anos 90 (pré-agile!), que seguia o modelo de trabalho tradicional da época, conhecido como modelo em cascata, que era um modelo sequencial no qual o processo de trabalho fluía apenas para frente através das fases pré-definidas. Ele era lento e cheio de burocracia, então a possibilidade de dar ruim era muito grande:

  1. Caso você se deparasse com um problema no produto, não poderia entrar em contato com o time anterior na sequência de trabalho, pois o fluxo era sempre para frente.

  2. O cliente só tinha contato com o produto no final de todo o processo, o que aumentava consideravelmente a chance de entregar um produto diferente do pedido - e ter que refazer tudo do início. E mais de uma vez. 💀

  3. Imagina a demora consequente dos ciclos serem longos e dos problemas só poderem ser resolvidos em suas respectivas etapas. O modelo de cascata trazia um problema de comunicação sequencial entre os times que virava uma bola de neve, o que era agravado devido ao ambiente de trabalho ser extremamente crítico.

  4. Qualquer pequena necessidade de mudança nos requisitos do projeto também significava todo esse processo de retrabalho.

E esse modelo digno de pesadelos não era o único bizarro da época: cowboy coding era o exato oposto e consistia em nenhuma metodologia, com os desenvolvedores fazendo apenas o que achavam que fazia sentido.


Para resolver toda essa bagunça, em 2001, 17 profissionais de software de diferentes backgrounds fundaram o Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Software, com apenas 4 valores:

  1. Os indivíduos e suas interações acima de procedimentos e ferramentas.

  2. O funcionamento do software acima de documentação abrangente.

  3. A colaboração com o cliente acima da negociação e contrato.

  4. A capacidade de resposta a mudanças acima de um plano pré-estabelecido.


E mesmo que o Manifesto tenha sido a resposta ideal para os problemas estruturais das organizações da época, ele não foi o único: a partir desses valores, surgiram vários frameworks que formavam várias metodologias específicas que revolucionaram a forma como desenvolvemos software até os dias de hoje. Abaixo alguns dos termos mais famosos:

  • Scrum: imagine um jogo de futebol, mas em vez de tentar dar um único chute em direção ao gol, você faz várias jogadas rápidas e eficientes. Isso é o que o Scrum faz no desenvolvimento de software. Ele divide o trabalho em "sprints", períodos curtos de 2 a 4 semanas, onde uma pequena parte do produto é desenvolvida, testada e entregue.

No scrum, o time se reúne com alta frequência para discutir o progresso, ajustar estratégias e garantir que o projeto está fluindo da melhor forma.

  • Extreme Programming (também conhecido como XP): aqui a ideia de agilidade é levada ao extremo (daí vem o nome). Esse framework defende práticas como programação em pares (onde dois desenvolvedores trabalham juntos em uma tarefa), e testes constantes para garantir que o código seja robusto desde o início.

  • Kanban: conhece o Trello? Aqui as tarefas são representadas visualmente em um quadro, passando por colunas que representam diferentes estágios do processo. Isso permite que todos vejam o que está acontecendo, quem está fazendo o quê e ajuda a evitar gargalos. Entretanto, não se engane, apesar de ser extremamente útil até os dias de hoje, Kanban surgiu em 1940 e não é considerado uma metodologia ágil.

  • Lean: não é uma metodologia ágil. Lean é uma metodologia própria, baseada na produção enxuta da Toyota, que foca na eliminação de desperdícios e na entrega contínua de valor. Reduzir o tempo entre a concepção de uma ideia e sua implementação é a chave aqui.

  • Scrum Master: se Scrum fosse um jogo de futebol, como o exemplo acima, o SM seria o árbitro do time. Ele não dita as jogadas de cada um, mas facilita o jogo, garantindo que as regras sejam seguidas, removendo obstáculos e promovendo a comunicação eficiente.


Essas metodologias ágeis são como superpoderes para desenvolvedores, transformando a bagunça e o caos em um processo organizado, flexível e eficiente.

Espero que essas informações sejam úteis! Se tiver mais alguma dúvida ou quiser mais detalhes sobre algum ponto específico, só comentar no instagram do STEM Para as Minas e irei responder. 🥰



REFERÊNCIAS


BECK, K. S. K. S. J. E. A.; “Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Sofware” Disponível em: <https://agilemanifesto.org/iso/ptbr/manifesto.html>. Acesso em novembro de 2023.


SOARES, Vitor. “Metodologias ágeis: o que são, para que servem e quais as principais?”. Na Prática. Disponível em: <https://napratica.org.br/metodologias-ageis/>. Acesso em: novembro de 2023.


LOSNAK, Giulia. “Metodologia Ágil: O que é, quais são e como implementar”. Alura. Disponível em: <https://www.alura.com.br/artigos/o-que-e-metodologia-agil>. Acesso em: 7 de jul. de 2023.


26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

MULHERES MEMORÁVEIS: HIPÁTIA DE ALEXANDRIA ✨

Autora: Arianne Pires 📌Sabemos que enaltecer feitos científicos de mulheres é extremamente importante, pois serve como inspiração de que todas podemos fazer ciência. E estreando o quadro que faremos

Comments


bottom of page